domingo, 27 de maio de 2018

Segurança.segurança/segurança

Sei que não é o post do desafio do último comentário hehehe, mas só queria esclarecer algo que o Google me enviou sobre como adicionar segurança ao blog... Cri, cri, cri... Porque sério, sei que muitas pessoas que entram no blog tem a capacidade de hackear minha conta e meu computador. Mas eles tem vontade? Porque honestamente, tudo que posto aqui ou vem da minha cabeça ou de dados de um site fabuloso e secreto chamado: Cham cham cham cham.... Google. Eu não tenho pesquisas escondidas, comunicações particulares que trarão alguma informação nova para ninguém, não tenho cartão de crédito e muito menos conta em banco (kkkk eu sei, muito adulta da minha parte). O propósito do Blog é ajudar tanto vocês, quanto a mim, porque sério, vocês não tem noção... aliás têm né? Os comentários que recebo de como é bom ver que não se está sozinho, me fazem sentir do mesmo jeito... Então enquanto eu sei que várias pessoas que entram ou já entraram ou ainda entrarão no blog tem a habilidade (super show na minha opinião) de me hackear, vocês vão achar muitos filmes e séries bacanas, os artigos que traduzo (alguns, outro traduzo direto da net), e alguns trabalhos e textos do curso de Relações Internacionais...

  Obviamente eu não estou pedindo para ser hackeada ou para NÃO ser hackeada, cada um com sua habilidade tem toda a liberdade de fazer o que quiser com tais conhecimentos que são muito foda! Só estou adiantando o que irão encontrar, se isto ainda despertar a curiosidade de alguém, be my guest, sério! Só peço para que, se possível, não ferrar com meu computador, pq o teclado já está queimado (poisé, não recomendo utilizar certas substâncias LEGAIS e prescritas, que fique claro! E digitem com o cigarro na mão... Péssima, péssima idéia..) e devido aos problemas que já falei abertamente aqui, minha fonte de capital é inexistente, então, tipo, só isso, por favor, se vcs puderem ajudar nesta parte de não ferrar com nada, tem minha gratidão sincera, o resto é com vocês...

  Falo isto tudo, porque não vou aumentar a segurança do blog, porque como já disse, é um espaço nosso, e hackers também são superdotados, e os assuntos daqui podem interessar a alguns, para outros não faz a menor diferença, e para a maioria nunca nem devem ter nem entrado, porque já ouvi falar que há uma certa discriminação, principalmente por organizações oficiais com membros, que não vou mencionar o nome mas que vocês obviamente sabem de qual estou falando, contra os SD que utilizam suas habilidades nas artes tecnológicas. Este preconceito não existe aqui. A falta de paciência com outros que ou não sabem do que falamos ou levam meses para começar a compreender é reconhecida por todos nós. E o desrespeito ou preconceito como também já escrevi diversas vezes, também é familiar para todos. E se p.e. minha inteligência é ligada à matemática, ou a incluída na categoria, teoria de jogos, artes musicais, plásticas, etc, linguagem e/ou padrões, todas estas habilidades são também outro lado da mesma moeda na área tecnológica.

   Então se não mencionei ainda (ênfase em ainda) não lidei com as AH ligadas às artes tecnológicas, é porque na maioria das vezes elas estão implícitas, assim como várias outras áreas, como habilidades corporais (balé, ginástica olímpica, outros esportes/superioridade física). E o objetivo tem sido até agora atingir nosso ahn... grupo? Classe? Coletivo? (Sério, assim como chegamos no consenso do "identificado", coloquem nos comentários como nós devemos auto-referir em conjunto, porque 'portadores de Altas Habilidades' é meio tenso para mim... Para mim, pelo menos, sintam-se obviamente livres para discordar...) de pessoas que pensam de um modo diferente, não é uma relação de superioridade/inferioridade para com as outras pessoas, e sim de diferença. O modo que vemos, sentimos, processamos, analisamos, etc

 Então as portas do Blog continuam literalmente aberta a todos, eu acredito que não tenha que convencer ninguém apto na cibernética que vocês pertencem aos SD/AH, mas a presença aqui é um convite que se já não estava implícito a vocês e a todos que não mencionei especificamente, agora está explicitamente (alguns já até fazem parte, ou você acha que me esqueço em algum momento de você - pessoa que comunicava comigo no e-mail pessoal que você 'descobriu' hehe, cujo nick tem três letras e começa com 'A'.... a propósito, eu não consegui acompanhar a rapidez das nossas comunicação devido a condições pessoais muito pesadas, nada a ver o quanto eu adoro trocar ideias com você, eu simplesmente não estava mentalmente apta para conduzir um 'rapport' satisfatório para nenhum de nós dois, talvez agora eu esteja mais apta, se você ainda tiver vontade, estou aberta). Sejam bem vindos mais uma vez (vocês, nós, sempre foram), mas talvez a rapidez com a qual conseguem adquirir e assimilar as informações aqui, aqui seja mais um espaço de comunicação ao invés de somente recepção de conhecimento sobre o assunto, se este for o caso, ótimo, quanto mais de nós estivermos aqui em conjunto (a palavra gente!!! Help!!), creio que seja o melhor para todos.

01010011 01100101 01101010 01100001 01101101 00100000 01100010 01100101 01101101 00100000 01110110 01101001 01101110 01100100 01101111 01110011

Abs a todos e sempre obrigada por estarem aqui!                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                   

terça-feira, 15 de maio de 2018

Por que asdiferenças importam?

  Uma das coisas que costumo dizer, quando vejo ou leio reportagens sobre pessoas com necessidades especiais, físicas ou mentais, primeiramente é: "Que bom que existem pessoas que se dedicam a melhorar a vida de certas pessoas que iriam sofrer muito mais se tais esforços não existissem. Projetos para transcrição de livros para braille, calçadas feitas para pessoas com dificuldades de locomoção e/ou visão, professores que se dedicam à educação especial..." Aí chega nesta última parte eu fico me sentindo embarcando em um conflito. Todas as coisas acima são ótimas, e devem ser feitas, não só isso, mas muito, incrivelmente muito mais.

  Mas ao mesmo tempo eu fico pensando, e olho só, não fui eu que escrevi a Lei de Diretrizes e Bases, então não estou 'puxando o peixe para o nosso lado'. Nesta lei, dentro da categoria "Necessidades Especiais" adivinhem o que está incluso? "Altas Habilidades". Eis o conflito no qual embarco, fico extremamente feliz pelos outros esforços, mas me sinto excluída dentre os já excluídos.

  E o pior, mesmo escrevendo aqui no Blog o porquê de que não deveríamos nos envergonhar das AH/SD, de reconhecer para nós mesmos e de compartilhar isto com os outros, ainda dá aquele frio na barriga de, seja você ou o outro que iniciou a conversa que levou ao assunto das AH/SD, quando chega no ponto de se identificar: "Poisé, eu tenho Altas Habilidades", "Não, não é algo que acho ou sinto, eu fui identificada por um profissional qualificado". OK, agora pense que você é autista,com 'síndrome de Asperger', em um nível menor da escala, ou seja, você se comunica, mas ainda demonstra os sintomas. Asperger em um grau baixo não é identificável de cara. Então um mesmo tipo de conversa acima, mas sobre autismo, e chega a hora de você virar e falar: "Poisé, eu tenho Síndrome de Asperger, um tipo de Autismo", "Não, não é algo que acho ou sinto, eu fui identificada por um profissional qualificado". 


  E é aqui que as diferenças importam. Na primeira conversa, você vai sentir um pouco de vergonha por parecer egocêntrico, narcisista, vai se sentir como se estivesse se vangloriando, ou a outra pessoa irá sentir isso vindo de você, como se AH/SD fosse uma vantagem (em certo ponto obviamente é, mas NUNCA é só isso, ou na maioria das vezes os problemas são tão grandes que a vantagem do pensamento rápido, do raciocínio múltiplo, das outras habilidades, ficam em segundo plano devido ao funcionamento diferente do cérebro, que na verdade é o que importa. Se você é SD e tem uma paixão por artes ligada às suas sensibilidades praticamente inexplicáveis para os outros, qual a sua vantagem de ter um raciocínio matemático que te levaria ao MIT? Muitas, se não a maioria das vezes, as paixões e motivações não são compatíveis com um dos seus talentos mais proeminentes. Ou na grande maioria das vezes, também, seus talentos são compatíveis com suas paixões, mas nosso tempo de vida é finito. Daí o conflito: como eu vou ser neurologista, advogada, música, cineasta, cozinheira, diplomata, lutar por políticas públicas para os AH/SD, e tem mais, mas eu só tenho uma vida. E desperdicei grande parte dela com um medo paralisante de fazer a escolha errada e acontecer exatamente o que aconteceu. O medo de escolher o 'errado' e desperdiçar os anos era tão grande, que fui incapaz de escolher o 'certo', nem mesmo a capacidade de tentar eu tive, porque eu tenho um orgulho e um perfeccionismo com as coisas que gosto, que seria impossível largar no meio do caminho. Me retratando: eu fiz uma escolha aos 20 anos, até hoje não sei se será a profissão certa, mas tenho certeza que foi a faculdade errada.... Faltam exatamente sete matérias e a monografia, mas há onze anos que elas estão paradas, e eu não consigo terminar, porque perdi totalmente o interesse (e quem é SD sabe que sem interesse, nada flui), mas não consigo abandonar e começar outra coisa pelo dito orgulho e perfeccionismo de largar algo que comecei sem terminar. Isto me causa vergonha, uma falta de visão do futuro, um sentimento de derrota, uma necessidade de ajuda que, querendo ou não, é a realidade, só uma pessoa especializada na área de AH/SD, seja como pedagogo, psicólogo, psiquiatra, terapeuta, professor, e faço uma aposta que quem escolheu se especializar nessa área de AH, ou tem um filho(a), pai (mãe), ou ele(a) mesmo(a) é 'da nossa laia', que pode nos ajudar, nos compreender.


  Agora para a outra parte da conversa, a do portador de Asperger, ele não teria vergonha de falar, primeiramente porque eles não vêem objeção na verdade, assim como nós, que tem Asperger vêem, ouvem e sentem o mundo de forma diferente de outras pessoas, seus sintomas (brevemente) são falta de sociabilidade, relacionamento, comunicação, e são imitadas no seu cotidiano, mas são mais difíceis de distinguir de uma pessoa 'normal' que outros autistas.

  A diferença da conversa anterior para esta é, o SD vai se sentir auto-consciente, embaraço, perceberá uma dificuldade de aceitação do outro, pois infelizmente, devido ao estereótipo do SD, o outro se sentirá inferiorizado em relação ao SD e possivelmente expressará uma hostilidade inconsciente, já que "esta não é uma pessoa que precisa de ajuda e nem compreensão, pois já nasceu com uma 'superioridade' que não posso alcançar, portanto não a consigo entender, e só de saber que é alguém que sempre 'será mais' do que eu devido à vantagem intelectual, me sinto em uma situação desigual, mesmo que acabe de conhecer a pessoa, o que me foi ensinado sobre pessoas com AH já me levou a estigmatizá-la e a sentir um mal-estar em uma conversa com tal indivíduo pelo medo deste me julgar como alguém 'abaixo' dele, e sentir que ele não me considerará alguém com quem possa conversar em seu próprio nível, de 'igual para igual'". Esta pessoa que está conversando com o SD então, na minha experiência terá uma de algumas reações: tentar menosprezar as Altas Habilidades através dos próprios estereótipos aprendidos durantes os anos, como taxá-lo de 'nerd', 'cdf', 'cabeção', etc. "Ih nem adianta conversar com você, não vou entender nada, porque eu não fico lendo o dia inteiro..." "Ih é nerd, nem deve sair de casa! Já namorou alguma vez na vida?" "Oh o puxa-saco, só tira nota alta..." "Sai fora, quero trocar idéia normal, e não sobre física quântica.". Esta é uma reação, usar o que lhes foi dito sobre AH/SD para tentar menosprezar, diminuir socialmente o SD. É o tipo mais fácil de se lidar, é só desfazer o estereótipo com ações e assuntos inesperados por eles, já que é o tipo mais infantil de menosprezo.


   O outro é fingir que não existe. Tentar demostrar a través de argumentos retirados de fontes não confiáveis, ou mesmo de profissionais da área de psiquiatria que tentam negar as AH com argumentos de que o Q.I. não é uma medida científica, e é especulativa, que a Inteligência Emocional não é um componente das AH, e sim o único fator que importa para se medir o desenvolvimento na psiquiatria. Ou que AH/SD não são fatores que afetam o cotidiano de ninguém, é só mais uma característica como ser destro ou canhoto, e que a medida destes são somente ferramentas egocêntricas e que existe o talento em vários indivíduos que não possuem AH/SD (o que na verdade é um argumento dentro de várias teorias de AH/SD, que existem os Gênios, os Super Dotados e os Talentosos). Existem várias outras formas de hostilidade para com os superdotados em sua identificação, mas o que achei mais interessante são os imitadores.

  Em relação à primeira conversa, demonstrei algumas formas de hostilizar os SD, porém, obviamente, existem pessoas muito bem esclarecidas, ou mais esclarecidas do que muitos a nosso respeito, e tem um interesse genuíno no nosso modo diferente de pensar, infelizmente, a maioria destas pessoas só pensa deste modo porque passou a conhecer alguém SD, ou tem alguém na família que tem AH (como é típico no caso de todas as outras necessidades especiais.) Uma pessoa que conviveu com alguém que era portador de surdez, tem uma compreensão e um respeito extremamente maior para com estas pessoas. Sei disto por experiência. Este é um caso muito pessoal e emotivo, mas resolvi contar para que fique mais fácil para quem nunca passou pela experiência de ter outro SD/AH ou alguém com outra necessidade especial na família, ou próximo. Minha avó começou a perder a audição aos trinta anos. Quando minha mãe nasceu, ela tinha trinta e cinco, então ela já estava em um estágio bem avançado. Minha mãe cresceu com minha vó assim.... No caso dela, meu avô - de quem falarei bastante em outro post, o motivo: ele estudou até a 3ª série do primeiro grau, creio, não tenho certeza, mas foi por aí, e ele se tornou autodidata, aprendeu a ler, escrever, tocar piano, entre várias outras coisas, e no post que farei sobre ele, quero discutir as possibilidades genéticas das AH/SD - era muito inteirado a respeito das novas tecnologias e sempre teve a possibilidade de comprar o aparelho de audição mais novo no mercado. Então minha mãe não teve a necessidade de aprender a linguagem de sinais, mas aprendeu o respeito devido a quem tem uma necessidade especial. Infelizmente (muito mesmo) não tive a oportunidade de conhecer minha avó. Mas tenho vergonha de dizer que quando dou meus chiliques de nervos e brigo com minha mãe (a quem eu nunca poderei agradecer o suficiente por tudo que ela fez, passou, aguentou, sacrificou, por mim, nem pelo tanto que ela me ama apesar de todos meus defeitos, que são massivos) às vezes, eu estupidamente solto uma babaquice tipo: "Que foi? Tá surda?" E ela, com toda a calma, vira e me fala que ela já conviveu sim com surdez, e que isto não é nenhum insulto, que minha avó tinha suas dificuldades, mas elas nunca teve vergonha, ou deixou que isso a levasse de viver uma vida normal, e que respeito é uma condição essencial para se viver bem, e que mesmo sem conhecer minha avó, seria bom eu pensar antes de utilizar algo que a fazia sofrer, como um insulto inútil.(Passaram-se dois dias mas sempre vale a pena: FELIZ DIAS DA MÃES, MOM!!! SEM VOCÊ EU SABERIA POR ONDE COMEÇAR A VIVER...)

  
  Bem mudei de assunto neste último parágrafo. Mas o assunto era os imitadores. Existem muitos estereótipos a respeito dos SD, mas também existem muitos mitos, um certo culto ao gênio (que está acima dos Superdotados, mas quem tem uma admiração por este espectro das necessidades especiais, não vê a diferença, é uma espécie de idolatria por quem tem Q.I. alto, é talentoso, tem múltiplas inteligências - segundo a teoria de Gardner, a ser discutido -, tem AH, é Gênio, etc...). Como eu já mencionei em alguns posts e muitos de vocês mencionaram nos comentários, parece que nós temos um radar interno que identifica outros SD. Não sei explicar, sério, se é o tipo de conversa, o tipo de interesse, a velocidade do raciocínio, a sutileza e as nuances das comunicações. Eu já havia dito que pessoalmente eu só havia conhecido cinco pessoas: um (meu melhor amigo dos 3 aos 8 anos,conheci ele na EDUC- escola especializada em crianças com AH, do Dr. Daniel Antipoff, filho da Dra. Helena Antipoff- obviamente todos que estudaram lá eram SD, mas meu gênio bateu com o do Xande, sei lá como que o gênio de alguém de 3 anos bate como do outro, mas assim foi, e outra diferença entre nós dois e os outros, era a liberdade que o DR. Daniel e a Dra. Otília (sua esposa) nos davam, a escola era uma fazenda praticamente, com um campus enorme, hortas, criações de coelhos e outros animais, nós dois fazíamos coleções de cigarras - minha mãe até hoje fala, que ela me levava para escola toda 'bonitinha' e tals, e eu voltava toda coberta de terra rsrrs - e que além da liberdade de rodar o campus durante o horário das aulas - o Dr. Daniel tinha uma forte convicção que nessa idade (entrei lá com 2 para 3 anos) é a criança que deve escolher seu caminho, seu habitat, sua tarefa - ele e a Dra. Otília nos levavam para a sala deles todos os dias, alguns dias juntos, a maioria separados, para desenhar histórias, conversar sobre preferências, basicamente 'nos estudar', e não lembro de praticamente ninguém estar na sala deles tanto quanto nós (cara, os dois brigaram FEIO com minha mãe quando ela quis me tirar da EDUC, O Dr. Daniel falou que ela estava cometendo o maior erro da vida dela, ela me tirou de lá com 6 anos, e não deixo de concordar com ele, imagino que poderia ter um desenvolvimento muito diferente se tivesse continuado lá....). Depois aos 14 anos conheci dois outros amigos SD, um mais intelectual mesmo, voltado para poesia, música e filosofia, e outro um ano mais novo que eu, que estava na fase ápice da rebeldia, falou que não podia, ele estava fazendo.Eu tinha um pouco das duas personalidades. Acho que isto é outra coisa de encontrar pessoalmente e fazer amizade com outro SD, há uma relação simbiótica, você absorve um pouco da personalidade deles e vice-versa. O próximo foi quando eu tinha 17 anos, no início não conversamos muito, porque ele era amigo do meu primo e os assuntos deles eram nada a ver comigo. Mas quando passamos a nos ver mais vezes e conversamos sozinhos, aí clicou, e ele é um dos meus melhores amigos desde então, conversamos muito, trocamos muitas experiências, estamos mais ou menos no mesmo nível, e ele, de todos que mencionei até agora, é o único que continua na minha vida. A próxima foi a primeira menina SD que conheci, aos 23 anos, conversamos esporadicamente, mas ela não se considera SD, e procura fugir desta identidade. A última e mais recente é outra menina, conheci ela ano passado, ela curte música, e infelizmente nos conectamos através dos problemas que temos. Das dificuldades de ser como somos, de não sermos compreendidas, pelo lado bom ela curte música e é uma vocalista excepcional.


  Os imitadores são aqueles que na primeira conversa citada lá em cima, quando você se identifica como SD, primeiro ele fica curioso, vai lhe perguntando as características. Você fica surpresa por alguém se interessar por algo que não é muito popular como assunto, mas beleza, responde as dúvidas, e ele quer se aprofundar no assunto, mas assim que ele obter informações suficientes, as coincidências começam. Nossa eu também tinha isso quando era pequeno, também pensava assim sobre isso e aquilo, nossa eu também tenho tantos interesses que fico perdido. Ou seja, depois de obter informações suficientes para 'montar um perfil', ele começa a jogar verde na primeira conversa. Depois vai e pesquisa tudo o que conseguir sobre AH/SD, e na segunda conversa, sem jamais falar claramente "Eu também sou superdotado" ele vai jogando todas as peças na mesa para que você monte o quebra-cabeça e diga por ele. São inofensivos, mas como eu disse, são pessoas buscando validação, e esta só pode vir de um SD. Porém como eles realmente não são, eles não mencionam nem demonstram os problemas extremamentes sérios que possuímos.
           
To be Continued....

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Mary-Elaine Jacobsen - Um nome que, ser você for um adulto com Altas Habilidades não vai querer esquecer jamais

Não lembro onde exatamente vi seu nome mencionado, onde o li, etc. Mas pelos elogios que vi (também não lembro exatamente quais eram), me lembro que pensei que era alguém que faria diferença no que eu estou procurando. O que nós estamos procurando na realidade: 
'Como viver em um mundo real,que não é o seu mundo real ?'

Como ser um X-men em um mundo que não sabe se o teme, ou se você é de boa. 
Já tem muito tempo que quero entrar na mitologia dos X-Men, dos filmes,ok? A ignorante aqui nunca teve a chance de ler um comic dos X. Mas aí eu tenho que estar inspirada, rever algumas coisas, etc. 

Não, hoje vamos falar da Dra. Jacobsen, minha atual heroína. Primeiramente uma pequena biografia retirada de seu livro de 1999, "O Adulto Superdotado: Um Guia Revolucionário para Liberar o Gênio de Todo Dia".

Mary-Elaine Jacobsen, Psy.D. *Nota da tradutora - (Diferente de PhD, que é Doutor de Filosofia em Psicologia, o Psy.D. é Doutor de Psicologia, voltado para a prática clínica.), é uma psicóloga praticante e diretora do Omega Point Resources for Advanced Human Development (Omega Point Recursos para o Avanço do Desenvolvimento Humano). Além disso ela serve como professora  adjunta de psicologia na Universidade de St.Thomas, como editora contribuinte para o Roeper Review: a Journal on Gifted Education (Roeper Review: Um Jornal sobre a Educação de Superdotados),  oradora internacional, aparecendo em rádios, televisões e atuando como consultora para a mídia, pais, professores e corporações, Jacobsen tem três crianças superdotadas. Ela mora em St. Paul,Minnesota.

*Nota da tradutora: Esta biografia é de 1999, depois procurarei informações atualizadas

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Para Helena, Problemas nas características dos AH/SH

Olá galera, blz? Sei que parece que sou preguiçosa (parte verdade) e que não e preocupo em ler as msgs que vocês mandam. Nada mais longe da verdade. As leio sim. E fico louca para respondê-las. No entanto creio que devo o mínimo de respeito e não devo responder ‘pelos cocos’. Por tanto achei que, mesmo depois de tanto tempo devo esta satisfação a vcs e tentarei responder mais rápido etc.

Obs: Já estou começando...



07/18/12 às 6:18 PM
Anônimo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Características Superdotados - Gifted Universe":

alguem me diz mais algumas caracteristicas de sobredotados? tenho um filho adulto -22 anos-, que foi diagosticado aos 11 como tendo qi mt elevado e gostava de saber + coisas porque o seu comportamento e algo desigual dos comuns n ,e mau-, mas algo que me preocupa e gostava de saber para o poder ajudar .
obrigada e cumprimentos
helena baptista 


Helena tudo bem?
Nem sei se você ainda lê este blog ou se, as perguntas se mantém. Mas é o seguinte, somos diferentes sim. E muitas vezes devido a um desejo que é corriqueiro entre nós, o de não se mostrar diferente devido ao preconceito, ou o de se identificar e ficar taxado de ‘metido, se achar, etc...’, é normal tentar se esconder, mas é impossível. Nossas características transbordam, uma ‘má nota’ é dada devido à impaciência que certas situações e/ou pessoas nos causam, e nosso verdadeiro eu transparece.
E não que você ou alguém tenha colocado de forma alguma nestes termos, mas não somos robôs e, portanto cada um tem suas peculiaridades e identidades, mas sim, temos características gerais que nos identificam.
Já fiz vario checklists aqui, mas atualizar é sempre bom... Mas farei diferente desta vez.
10 Necessidades Sociais e Emocionais dos Superdotados
(http://www.byrdseed.com/10-facts-about-social-emotional-needs-of-the-gifted/)

1-    Fique atento que força e problemas em potencial podem ser o outro lado da mesma moeda.
Força: interesses e habilidades diversas; versatilidade. – Problemas potenciais: pode parecer desorganizado ou disperso, frustrado devido à falta de tempo...
     2-  O crescimento físico, emocional, social e intelectual de indivíduos superdotados muitas vezes é desigual.
Superdotação é um desenvolvimento assíncrono no qual habilidades cognitivas avançadas e intensidade elevada se combinam e criam experiências interiores e consciência que são qualitativamente diferentes da norma...
3-    Pessoas superdotadas podem duvidar que são realmente superdotadas.
“Será que realmente sou bom assim” surge como um refrão constante. Alguns superdotados negam seus talentos, os enterrando sob um disfarce de “palhaço” ou “sabe-tudo”, muitas destas pessoas tem um problema com auto aceitação...


*Nota da autora do Blog:


O autor (Ian A. Byrd) deste ‘Top 10’ escreveu mais detalhadamente sobre a tão  importante “Síndrome de Impostor” com a qual tantos superdotados lidam, e acho extremamente relevante. Já escrevi sobre isto antes, e fiquei impressionada nos últimos meses, pois, enquanto fazia um curso com mais ou menos 45 pessoas, e no meio delas, além de mim, identifiquei outras duas pessoas com AH. E a reação delas quando mencionei que: “oi, beleza, você possui Altas Habilidades"  -"Quem, eu? Você está viajando! Nada a ver! Quem é superdotado não é assim como eu" Ou seja, comas noções pré-concebidas a respeito dos super-dotados, muitos que são, mas ainda não foram identificados, negam veementemente até a possibilidade de o serem.

4-Estudantes superdotados podem enfrentar desafios não somente de seus pares, mas também de seus pais e professores.
 "Professores em escolas de ensino médio, em particular, já tentaram invalidar, refutar, os talentos de estudantes individuais, dizendo, em vigor, 'Prove para mim que você é tão superdotado quanto acha que é'".

5- Quanto mais velhos ficam, estudantes superdotados tendem a correr menos riscos.

      "Crianças altamente superdotadas tendem a focar naquilo que eles já sabem fazer bem, já que seu único padrão aceitável é a perfeição. Para algumas crianças superdotadas, uma nota 'B' (ou entre 70 e 90, numa olhada bem rápida no google para calcular, posso estar muito errada) é equivalente a um fracasso, o que limita seu comportamento de risco ou de tentar se arriscar para o velho estado de prontidão: áreas na qual você se sobressaiu no passado."

6- Estudantes superdotados poder ter uma surpreendentemente elevada  sensibilidade emocional.

               "Um aspecto do lado negativo desta sensibilidade é que os sentimentos da criança podem ser facilmente feridos. Isto inclui uma tolerância baixa ou zero para a crítica percebida,  vinda dos outros. A palavra-chave aqui é 'percebida', já que a crítica real não é necessária para transtornar uma criança que é altamente sensível."


7- Estudantes superdotados muitas vezes são tímidos, sabem que são tímidos e sabem que muitas vezes esta timidez é encarada com desprezo.

      "Os americanos acreditam que introversão, sensibilidade e timidez infantis são problemas a serem consertados... no entanto, pesquisas a respeito de crianças superdotadas mostram que a maioria delas são introvertidas, e muitas são sensíveis devido ao fato de sua elevada consciência de si mesmos e dos outros."


8- A intuição abstrata de estudantes superdotados pode entrar em conflito com a preferência dos professores pelo pensamento concreto.

           "Enquanto os professores entendem essas diferenças entre os estudantes N guiados pela intuição e suas próprias preferências pela atividade S concreta, eles podem começar a planejar e implementar um modo de instrução que produzirá os melhores resultados para cada tipo de preferência de aprendizado."

9-As necessidades dos estudantes superdotados não podem ser reunidas em um só estilo de aprendizado.

             "Existe uma crença comum a respeito da preferência dos alunos superdotados pelo aprendizado individual. Curiosamente, neste estudo, ambos os tipos são distribuídos quase igualmente entre adolescentes superdotados. Então é provável que estudantes superdotados podem se beneficiar dos ambos os projetos em grupos e projetos individuais em uma máxima extensão,desde que,os professores possuam a flexibilidade para ensinar para diferentes tipos de pensamento."


10- Adultos superdotados gostariam de ter sido melhor informados sobre altas habilidades enquanto crianças.

          "Meus voluntários, adultos altamente superdotados, escreveram sobre inúmeras mudanças que eles fariam em suas infâncias. Eles queriam mais informações e confirmação de suas diferenças intelectuais..."

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Início das respostas

A.A. deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Descoberta da(s) AH/SD": em 20/02/2014 

"Flávia, primeiro parabéns! Muito obrigado! Sua iniciativa é muito importante: sua experiência possibilita a tantos outros um conhecimento que permite não se ver "perdido", isolado. 
Faz dias, na verdade, que conheço seu blog. Só hoje tive atitude de responder.
Minha história é meio comprida, mas, em resumo, tenho sofrido demais lidando com a questão das Altas Habilidades. 
Creio que me enquadro nessa situação. É sempre constrangedor falar nisso: sempre soa presunção. Muitas vezes, tenho que ser quem não sou, falar diferente por causa de outras pessoas. É a questão da socialização.
Desde criança, destacava - me sobremaneira na escola, inclusive "ganhando" um ano letivo. Foi no período da universidade, porém, que o problema (problema?) se revelou e os efeitos de algo não atendido se revelaram devastadores: vida acadêmica atrasada, problema familiar pelo fato, título de irresponsável, piada entre universitários, descrença em mim, início de depressão.
Tenho trabalhos publicados, material produzido para estudo.
Busquei n instituições e pessoas. Frustração.
Desculpe - me. No presente, não estou com muitas condições de falar mais. São lembranças dolorosas.
Agradeço a atenção. Muito boa sorte a todos."


A.A . tudo bem, sei que demorou muuuuito tempo para responder, mas problemas pessoais sérios me impediram de lidar com este blog da maneira apropriada. Quando você fala de que no período da faculdade problemas sérios vieram à tona, compreendo completamente, parece que a falta de cuidado com nossa “condição” se precipita na hora que chegamos na suposta fase de ‘liberdade para estudar e aprofundar nossos interesses naquilo que sempre desejamos”, e a decepção de que é só mais um 2º grau disfarçado, tem consequências devastadoras. A falta de atenção que estas instituições de ensino superior para quem possui AH/SD é gritante. É o que sempre falei e a razão deste blog existir. Para crianças identificadas, programas, psicólogos, atenção, etc... Você se tornou adulto, as AH sumiram!!! Ó! Desapareceu igual fumaça para a sociedade. O fato de estarmos na Lei de Diretrizes e Base como pertencentes a classe de necessidades especiais é pura formalidade, e se corrermos atrás somos egocêntricos, narcisistas, etc. O tema do ENEM deste ano (2017) foi educação inclusiva, e nós magicamente não estamos inclusos (sei que o tema foi especifico e não reacionado diretamente conosco, mas mesmo assim, né?), NUNCA!

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Sniff...Sniff... COISA NENHUMA!!!!!!!!!!!!!!

Eu estou procurando um profissional na área de psiquiatria que tenha especialização na área de AH/SD. Ou pelo menos conhecimentos da área.... Na minha cidade, uma capital pelamordedeus...
Não tem. Ninguém. No estado, achei uma...

Quem já se sentiu como um cachorrinho no meio fio em dia de chuva, levando jorrada de carro e tremendo de frio, levanta a mão...


OBS: BROTHER eu entendi que mencionei a Bíblia, respeito quem tem religião, mas RESPEITEM QUEM NÃO TEM P-O-R  F-A-V-O-R ! E PAREM DE MANDAR VERSOS BÍBLICOS PROS COMENTÁRIOS. PORQUE POR ENQUANTO TÁ NO RESPEITO, EU MENCIONEI, PEDI DESCULPA SE SOOU COMO DESRESPEITO, CADA UM TEM DIREITO A SUA CRENÇA... AGORA SE COMEÇAR PREGAÇÃO AQUI, VOU TER QUE CHAMAR UM AMIGO MEU ATEU PARA ESCREVER UM POST DE ESCLARECIMENTO PARA TODO ESSE FERVOR RELIGIOSO... OPINIÃO CONTRÁRIA? BEM VINDA! PREGAÇÃO? VAI PARA AQUELE LUGAR QUENTINHO QUE VOCÊS NÃO CURTEM!!!  

Todos que leem, mesmo os que só passam por aqui, e principalmente as inhacas com síndrome de inferioridade, favor ler a BÍBLIA (Aaaaaahhhhhh!!!) Não, não aquele tolosco que saíram inventando pelos séculos (malz aí pros religiosos, sem ofensa mesmo, religião é estado separado),
mas a obra prima de quem MATOU DEUS (Meu professor tem uma camisa escrita "Nietzsche está Morto" kkkkkkk eu morro quando lembro. Sim sras. e srs. Leiam:

ASSIM FALOU ZARATUSTRA     DO MESTRE, DO NOSSO MESTRE:
                       
                                       FRIEDRICH NIETZSCHE

Ele nos previu, nós somos a corda, nós somos o caminho, ainda não somos o Além do Homem, mas é necessário uma corda para chegar lá, e nós somos ela, nossos filhos, especialmente aqueles que tiverem a sorte de se reproduzir com alguém que também seja AH/SD (sei que isso parece algum tipo de eugenia, mas foi aí que os Nazistas distorceram as coisas) nós somos a minoria, mas ainda sim somos a corda para que essa inversão de valores, tipo a que vivemos todos nós que temos que ter vergonha de dizermos que somos superdotados e que não é egocentrismo, é uma diferença,mas que como ser cego, que também está na categoria de necessidades especiais (tirando o fato que NOSSAS necessidades nunca são atendidas), é uma diferença que obviamente de formas diferentes, mas mesmo assim, afeta todos os aspectos da nossa vida. Precisamos deixar a solidão para ter o aprendizado, e precisamos, sério mesmo, de reuniões físicas. Já existe a mensa, mas ela serve para tratar questões internas e intelectuais, nós precisamos de reuniões para no por no mapa! Para o social, para mostrar OOOIIIIIIIII!!!!! Estamos aqui! Não vamos embora. Não vamos ser abafados por uma cultura que não nos entende. Fazer a nossa cultura, os nossos valores, espalhar sem ligar para o que quem não entende NUNCA vai entender, e isso é problema deles! Não temos que fazer o problema de compreensão deles o nosso. Acha que é egocentrismo? Acha que é tirar onda? Acha que achamos que somos melhor que os outros? PROBLEMA DELES!!!!
Ah e uma novidade para eles, SIM nós somos. Evolucionariamente, nós somos melhores e isso não é uma ideia, não é uma percepção, na escala de Q.I. um Gorila está mais próximo de um ser humano comum  do que de nós. Não quer dizer que tudo que saia da nossa boca é uma inspiração divina, nem que todas nossas ideias são geniais. Falamos que não somos melhores e que somos diferentes, porque é verdade, nem toda pessoa com Q.I, superior muda a humanidade, pelo contrário, normalmente temos mais problemas que avanços em nossas vidas, eis o porquê. Então ambas afirmações estão corretas nos seus devidos domínios. Mas o que quero dizer é: não vamos escancarar os portões clamando que somos melhores, pois em vários níveis como disse posteriormente não é verdade, mas é verdade que não somos iguais ao resto das pessoas que não possui AH/SD, é verdade, não devemos ter vergonha de clamar nossos direitos, já temos tão poucos e praticamente nenhum é cumprido. Temos que nos reunir fisicamente, e reaver nosso pedaço de mundo. Temos que começar a realmente aparecer como a ponte de Nietzsche. Vamos nos encontrar, achar um ou uma AH/SD 'televisionável' (neologismos é comigo mesma) e enfiar ele/ela na Fátima Bernardes, nesses programas populares, no Ratinho, que eu nem sei se é uma pessoa mais.
  Colocar no mapa que NÓS ESTAMOS AQUI! E NÓS VIVEMOS COM VOCÊS! NÓS SOMOS DIFERENTES! MAS NÓS VIVEMOS COM VOCÊS DO MESMO JEITO, NÃO SOMOS MELHORES, MAS MERECEMOS NOSSO ESPAÇO, NOSSOS DIREITOS, NOSSOS CUIDADOS! QUANDO CRESCEMOS, AS AH/SD NÃO SOMEM! É BONITINHO VER UM MOLEQUE DE 5 ANOS FAZER CONTAS DE CABEÇA...MAS E O CARA BARBUDO QUE JOGA XADREZ MELHOR QUE KASPAROV MAS, POR PROBLEMAS DESENVOLVIDOS PELAS DIFERENÇAS DAS AH/SD NÃO SAI DE CASA? NÓS SOMOS 2% DO MUNDO, IMAGINA QUANTAS MIL PESSOAS NÃO SÃO IDENTIFICADAS, SÃO MAL IDENTIFICADAS, OU SÃO DEIXADAS DE LADO, PORQUE, SE É AH/SD, PARA QUE AJUDAR JÁ SABE TUDO (SABE TUDO O CARAMBA NÉ TIA). GALERA, VAMOS TORNAR ISSO REAL, MESMO QUEM NÃO SEJA MEMBRO E QUEIRA FAZER UMA REUNIÃO EM PÚBLICO (PODE SER O PUB MAIS ESCONDIDO DA CIDADE PARA OS AGORÁFOBOS) ME ESCREVAM NOME E CIDADE NO COMENTÁRIO, MESMO OS MEMBROS, QUE EU FAÇO UMA LISTA DE CADA CIDADE, CADA UM NOMEIA UM LÍDER DA CIDADE ENTRE SI, E TAL PESSOA ORGANIZA O QUE FAZER, MAS VAMOS PELO MENOS TENTAR SAIR DAQUI, E FAZER A DIFERENÇA ALI! POW TEM GENTE QUE NÃO TEM AS DUAS PERNAS, É CEGO, ETC, E ALÉM DOS BENEFÍCIOS PELOS QUE LUTARAM, BICHO, ATÉ OLIMPÍADAS OS CARAS TEM!!!! NÃO ESTOU TÃÃÃO OTIMISTA ASSIM, MAS PELO MENOS ASSOCIAÇÕES, AULAS ESPECIAIS NAS UNIVERSIDADES, NÃO SÓ NA GRADUAÇÃO, PROJETOS PARA DESENVOLVERMOS PARA O PÚBLICO! VEEEEEERBAS PARA DESENVOLVER TAIS PROJETOS, LUTAR PELA IDENTIFICAÇÃO OBRIGATÓRIA, TUDO QUE NÃO TIVEMOS, ACOMPANHAMENTO ESPECIAL, ATENÇÃO MAIOR AO BULLYING, TUDO QUE SEMPRE QUISEMOS PARA NÓS, VAMOS DAR A PRÓXIMA GERAÇÃO PARA QUE ELA DESLANCHE, ASSIM COMO NÓS TEMOS PELO MENOS UM BARQUINHO COM UM REMO GRAÇAS A PESSOAS COMO HELENA ANTIPOFF, MENÇÃO ESPECIAL COM TODO MEU AMOR, AMOR DE VÔ E DE VÓ MESMO AOS DR. DANIEL ANTIPOFF E DRA. OTÍLIA ANTIPOFF, SEM ELES EU NEM SABERIA EXISTIR, OBRIGADA POR ME AJUDAR COM MINHA IDENTIDADE, SEM EU NEM SABER O QUANTO VOCÊS FIZERAM POR MIM NA ÉPOCA,EU ERA LIVRE, A ESCOLA ERA UMA FAZENDA, MINHA MÃE RECLAMAVA QUE DEIXAVA LIMPA NO COLÉGIO E EU VOLTAVA CHEIA DE TERRA: É PORQUE EU E O XANDE ÍAMOS COLECIONAR CARCAÇAS DE CIGARRA, ESCORREGAR NO MORRO DE TERRA QUE DAVA PARA A HORTA, SUBIA NAS ÁRVORES PARA PEGAR FRUTA, BRINCÁVAMOS COM O COELHO DO CASEIRO, TUDO QUE EU QUERIA FAZER EU FAZIA, MINHA MÃE QUESTIONAVA, DRA, OTÍLIA FICAVA BRAVA: "DEIXA A CRIATIVIDADE DELA MANDAR ELA FAZER O QUE QUISER, NÃO INTERFIRA!". EU PASSAVA MAIS TEMPO NA SALA DOS DOIS DO QUE EM SALA DE AULA,DESENHANDO, CONTANDO HISTÓRIAS TERMINADO HISTÓRIAS COMEÇADAS, RESPONDENDO PERGUNTAS, FAZENDO PERGUNTAS! EU ERA FELIZ E NÃO SABIA É POUCO... UM BELO DIA, DE ACORDO COM MINHA MÃE EU FICAVA MUITO APERTADA NO ESCOLAR, E ELA ME TIROU DE LÁ, SIMPLESMENTE ME TIROU DE LÁ, POR CAUSA DE UMA MERDA DE UM ESCOLAR, SE ELA SOUBESSE O ME FEZ PERDER, ELA DEIXARIA EU ANDAR ATÉ LÁ, ELA COMPROU UMA BRIGA FEIA COM A DRA. OTÍLIA QUE FALOU QUE ESTARIA ESTRAGANDO MEU FUTURO E IA SE ARREPENDER SE ME TIRASSE DE LÁ! DITO E FEITO, ESTA ERA UMA BRIGA QUE EU QUERIA QUE A DRA. OTÍLIA TIVESSE GANHO, GARANTO QUE EU SERIA UM  POUQUINHO MELHOR HOJE, MAIS OTIMISTA COM CERTEZA, NEM PAPAI NOEL, ACHO QUE ESTA FOI A GRANDE PRIMEIRA DECEPÇÃO DA MINHA VIDA! UMA MERDA DE UM ESCOLAR, VERSUS MEU FUTURO, PODE?
   Ah minha mãe leu e teve a cara de pau de falar que eu distorci as coisas para falar que a culpa não foi dela, que a decisão não era dela... Realmente!! Era eu a adulta de 5 anos que tinha que ter feito a decisão, comunicado a todos os envolvidos, procurado outro meio de transporte, procurado qualquer meio, carona, seja o que for... O Xande que eu mencionei, morava na esquina da minha casa... É vou repetir NA PORRA DA ESQUINA DA MINHA CASA... Realmente eu falhei nessa, deveria ter trabalhado e pesquisado mais na Internet que não existia... Deveria ter me aproximado de pais que buscavam os filhos para descobrir sua rota se passava em um ugar onde minha babá poderia me buscar, porque eu seria levada extremamente a sério fazendo estas perguntas à uma mãe ou um pai. Ou deveria ter procurado alternativas com a diretoria que saiu no braço (metaforicamente, porque Dra. Otília era uma sra. mais do digna e respeitosa, não é demais dizer que para sua época era uma dama e como já mencionei, como uma avó) para não que eu não saísse de lá, pois iria ter impactos no meu futuro! Fique com a consciência tranquila mamãe... Minha vida é um mar de rosas! E nunca teremos como saber se interromper o processo de descoberta da minha identidade teve algo a ver com isso né? É um verdadeiro caso para o Scooby-Doo... Pelo menos minha Van do Mistério continua soltando fumaça (legalizada, sério, caso haja alguém com laços de autoridade). Depois dessa, amanhã vou ter que chegar o estoque de óleo de peroba, pois tudo que falei de 'mother' (obrigada Pink Floyd, sua música salvou tanta gente de pensar metáforas), 'father' não é menos culpado, só menos envolvido, e é do jeito que ele gosta.

  Foi mal transformar esta última parte em um drama familiar, mas desconfio que em contextos diferentes, algumas pessoas tem certos sentimentos similares, e talvez seja um outlet (não, véi, não o do Shopping) para se sentir menos sozinho e em relação à raiva... Eu tenho um Punching Bag para evitar a psicopatia, existem outros métodos mais zen, com certeza. Eu recomendo o meu, eu já imaginei a cara de tanta gente que nem a orelha devia estar queimando, devia ser o olho ficando roxo de tanto descarregar mesmo, mas hey, cada qual com seu 'outlet', e quem sabe, tem gente que é até o do Shopping mesmo, shopping spree não recomendo (a não ser que seu limite no cartão seja mais alto que o Empire State, mas se funciona, eu não julgo nada, nem ninguém... Mentira, eu julgo sim e muito, mas não neste caso!  

O CHAMADO TÁ FEITO, MANDEM NOMES (NÃO PRECISA SER TODO) E A CIDADE, BORA DOMINAR O MUNDO COMO NOSSOS PAIS DEVERIAM TER TENTADO PELA GENTE, NÃO VAMOS DEIXAR OS QUE VEM POR AÍ NOS TAXAR DE INCAPAZES, POR QUE PODEMOS SER SOZINHOS E INFELIZES MUITAS VEZES, MAS INCAPAZES EU APOSTO MINHA ALMA QUE NINGUÉM AQUI É!

Para variar...Desapareci... E Sim, para quem perguntou, estou viva! Bem, quase... Mas respirando estou


Ei gente, não é mais uma desculpa! Não sei se mencionei, fui estudar na França, fiquei 4 semanas em um Couchsurfing procurando apartamento, só que com aquela ânsia que temos de achar meu próprio espaço.... Bem, achei e me ferrei, tinha um "mezanino" leia-se um beliche com uma cama e armários, e uma altura de 1,20m. A escada era realmente de beliche, degraus curtos e finos, e tive que desfazer minhas malas embaixo e subir com tudo um milhão de vezes. Meu pé começou a doer, duas semanas antes das aulas. Em Abril eu tinha quebrado o pé, mas cuidei, fisio, etc, estava, bem, quando estava no outro ap, saia p/ dançar quase a semana toda, andava para lá e para cá, sem dor, então não achei que poderia ser algo remanescente da fratura. Em duas semanas que começou a doer, não conseguia encostar o pé no chão. Tinha que pedir ajuda p comprar coisas, pizza até falar chega,e não consegui nem começar a ir na aula. O seguro deu um problema (PORTO SEGURO my ass, não peguem este seguro, nem para dois dias). E ainda não tinha o seguro francês pq ´tó véia´, eu só ia conseguir em Novembro, mas não aguentava mais. e como para ter internet tinha que ter conta de banco, e onde eu estava eles pararam de abrir contas para estudantes, e como eu não tinha exatamente como sair procurando bancos, fiquei sem net.


Mas resumindo, voltei para esta bosta deste Brasil (sinto mt para quem gosta, mas opinião é igual... nariz, cada um tem o seu). Mas bem eu finalmente postei todos os comentários (desculpe-me  quem achou que eu tinha bloqueado ou que eu não quis postar, foi só a falta de Internet mesmo, foi mal. E ainda planejo cumprir minha promessa de responder os comentários. Mas antes tenho uma proposta para vocês.

Eu me comuniquei com um professor especializado em AH/SD ele se chama Michael E. Gerner, Ph.D., P.C. 


Ele se especializa em avaliação compreensiva, diagnóstico diferencial (estilo HOUSE), e consultas para estudantes talentosos/com Altas Habilidades, crianças/adolescentes/adultos duplamente excepcionais (2e), terceira cultura, multicultural/ internacionalmente móvel, e indivíduos com habilidades e aptidões especiais
Áreas de especialidades incluem avaliação de amplo espectro das deficiências de aprendizagem e habilidades especiais através da duração da vida, dislexia, espectro do autismo, DDA/TDAH, avaliações psicológicas e psico-educacionais de crianças, adolescentes, adultos, estudantes de faculdades comunitárias, estudantes universitários, estudantes de graduação avançados, estudantes de medicina, estudantes de direito, e outros estudantes de 'escolas profissionais para adaptação em programas e em testes de grande importância. 

Bem, conversei com ele no telefone, e ele perguntou como achei o tel dele, já que ele viaja por toda América Latina. EU falei que não, que foi em uma lista de especialistas em AH/SD em adultos nos USA. Ele perguntou perguntou o porquê de procurar um especialista estrangeiro, eu disse que há uma deficiência de especialistas no Brasil. De acordo com ele "Não! Vocês tem mais de 1.000 especialistas aí." "Mas tem psiquiatras também?" "Realmente a maioria é de psicólogos" Bem de acordo com nosso Ph.D. é só ligar no Disque AH/SD e todos seus problemas serão resolvidos... Ele se referiu a uma associação eu acredito que seja uma destas:
-  APAHSD - Altas Habilidades e Superdotação -apahsd.org.br/
www.altashabilidades.com.br/
conbrasd.org

  Eu aposto mais na ConBraSD, mas a 2ª também pode ser promissora. Agora Dr., mais de mil profissionais aqui
 no Brasil... Como é, igual trufa? Tem que ter porco geneticamente criado para achar, e SE achar é a peso de ouro,
 porque não sei como está o estado psicológico de vocês, mas psiquiatra e convênio é mistura que não existe há
 tempos viu... E se vc arriscar um, é 20 minutos na sala e pé na bunda, próóóximo! Sério.
  Mas então ele quis saber sobre o que eu gostaria de conversar com ele. Eu disse que fui diagnosticada cedo, e 
depois reconfirmada na adolescência e que já tem um tempo que estou com uns problemas sérios (quem não tem,
 levanta a mão ae, e ganha o Oscar AH/SD - é um cérebro, coberto com aquela 'gelequinha (com q mesmo)'
 aquela gosma verde que a gente adorava jogar na parede para a mãe da gente ficar tirando e xingando.), e que
 não estava encontrando psiquiatras com especialização em AH/SD. Ele falou para procurar na associação,etc
Mas se propos a responder algumas perguntas que eu tivesse.
  Então galerinha, hora de por 'gelequinha' para funcionar, porque eu vou elaborar as minhas e pensar com muito
 cuidado. E vocês qual o cuidado vocês terão com as suas. Bro o cara viaja a A.L. toda, é Ph.D. e está disposto a
 responder o que quisermos saber. Como eu sou somente 'identificada', não exatamente especializada em nada, tudo escrito aqui é experiência, nada
 baseado em pesquisas (bem... tem sim, muita coisa, mas vamos facilitar, shall we?) então como ele disse, "Sei
 que você deve ter muitas perguntas...- AHHHHHH INFELIZMENTE VOCÊ VAI SE ARREPENDER TIO, EU TENHO
 UM NOVO TESTAMENTO, COM CARA DE VELHO TESTAMENTO, DE PERGUNTAS, BAD PLAY-
então deve demorar um pouco para elaborar o e-mail (OI, É VOCÊ, QUE ESTÁ LENDO, BORA POR MAIS
 DIFÍCIL QUE SEJA, PARA MIM VAI SER UM INFERNO, FAÇA PERGUNTAS CONCISAS, OU TENTE MAIS 
CHEGAR NO PONTO DA PERGUNTA DO QUE O PORQUÊ VOCÊ A ESTÁ FAZENDO, ENFIM, FAST & 
FURIOUS, VOCÊS ENTENDERAM), então lhe darei um tempo para elaborá-lo. E o oposto é verdade, para
 responder demorarei um tempo para pensar e elaborar as respostas.
Então teremos que ter a noção deste tempo" - Claro Dr. porque a gente com AH/SD não temos problemas
 nenhum com ansiedade, somos super chill, a gente curte ver as ondas do mar ouvindo Ventania (o maluco 
dos cogumelos, não a expressão natural).

Então para quem quiser!!!!! EU ODEIO ESSA PALAVRA MAS....PARA-CASA. Quem quiser elaborar questões
para o Dr. Gerner postem nos comentários e deixem BEM claro se quer sua pergunta publicada ou não de
 qualquer forma, a não ser que eu receba tipo, umas 50 questões, todas vão para o e-mail. Quando estiver
 prontinho, saindo do forno pronto para ser enviado, eu publico aqui, com os que não quiseram a sua pergunta
 exibida, rasurada. E bora deixar o Doutor louco com as perguntas mais interiores e mais íntimas, e mais difíceis,
 a quem nunca tivemos para perguntar!
  Eu sei, eu sei.... EUZINHA aqui vou ver, antes do Dr. Garner, fou fazer uma analogia bem tosca, mas é o jeito
 que os médicos ACHAM que te deixam confortáveis, para as mulheres, eu sou médica ginecologista, vejo isso
 o dia inteiro, para os homens, sou especialista em próstata, posição e relaxa.... Viu como tentar relaxar alguém
 pelo fato que você verá sua intimidade, completamente, pode ser tosco, anti-higiênico, e escabroso. O que, vcs
 prefeririam a analogia de imagina todo mundo pelado?!? Você tá no computador, se você quiser
não precisa "imaginar" ninguém, põe o nome da pessoa no google e...puhf, olha fulano ou fulana pelada(o),
funciona melhor? Ótimo!
Sério, eu vou agir como editora e só, não vou entrar na cabeça de ninguém, este será o trabalho do nosso amigo
 de Flaggstaff.
Então combinado? Todo mundo queimando neurônio para o e-mail para o tio americano???
Depois todo mundo mandando pelos comentários explicitando se deseja publicação ou não (mas vai para o 
Dr. de qualquer jeito)
Então 5.... 4.....3....2.....FOI DADA A LARGADA!!!!!!!!!!!!!!!!